Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Inquietações

Inquietações

25
Out19

A nossa improbabilidade

Liliana Rodrigues

 

408062_390310034319313_960393617_n.jpg

 

Foi sem querer que te conheci. Contra todas as probabilidades os nossos caminhos cruzaram-se. Não era para acontecer nem estava planeado. Naquela noite, não era suposto estar ali e tu não contavas passar por lá. Que probabilidade tem a improbabilidade? Pelo menos uma. A nossa.
Tornaste-te amigo de uma amiga, foi assim, e chegaste até mim. Não gostei de ti à primeira vista. Bem sabes que vejo mal. Aos poucos, fui-te vendo. Observando. Estudando, porque “gato escaldado de água fria tem medo”. Mas tu não facilitaste. Não me falaste de nada de ti. Tu também, estavas-me a estudar.
Aos poucos, foste abrindo fissuras na couraça que protegia o meu coração. Foste limando com amor. Desgastando com carinho. Tornámo-nos bons amigos. Confidentes. Comecei a sentir a tua falta pouco depois de saíres. A tua ausência doía mais que uma incisão cirúrgica ou um ponto a sangue frio. A tua ausência enfraquecia-me. Desesperava por ti.
Abri-te o meu coração, contei-te todos os meus segredos e deite o poder para me arruinares. Estava à tua mercê. Despida da armadura que me protegia. Completamente vulnerável. Tinhas todo o poder, e tens, para dar cabo de mim.
Contra todas as probabilidades, tu fechaste feridas e fizeste-me voltar a acreditar. Cuidaste de mim, como quem cuida de um ser pequeno e fraco. Ajudaste-me a ultrapassar medos. Deste-me a força necessária para me reerguer e lutar. Juntos começámos a sonhar.
Sei que não sou, propriamente, fácil de aturar e que tenho algumas características bem lixadas, mas, ainda assim, tu amas-me. E sim, esqueço-me sempre das datas importantes, tipo a de hoje, e talvez vá continuar a esquecer. Mas há uma coisa que é impossível de apagar da minha memória.
Levantaste-me do chão quando eu caí. Ajudaste-me a sair do buraco quando eu não conseguia sozinha. Apoiaste-me em todas as decisões que tomei, mesmo as menos acertadas. Compreendeste todas as minhas ausências por motivos profissionais e de formação. Aturaste todas as minha rabugices e implicâncias parvas. Deste-me a mão e sonhamos juntos. Caminhamos lado a lado. Não somos perfeitos e nem podíamos porque isso era uma chatice. Oito anos e uma filha depois, só tenho uma coisa a dizer:

Obrigado, meu amor.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub