Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Inquietações

Inquietações

28
Dez20

Ano novo, vida nova?

Liliana Rodrigues

2021.jpg

(imagem retirada do Google)

Estamos a três dias de um novo ano e, embora um pouco diferente, muitos cumprirão o ritual de sempre. Sim, um ritual que, mesmo com restrições e isolamentos, será mantido. Não estou a falar de comida. Estou a falar nas resoluções de ano novo.

Quando o relógio marcar as zero horas (ou vinte e quatro, para os perfeccionistas), será o começo de um novo capítulo. Pelo menos é o que se espera. Ou será apenas mais um ano de promessas ou resoluções por cumprir. Tudo dependerá do grau de compromisso e seriedade de cada um.

A verdade é que, demasiadas vezes, damos por nós a desejar e a comprometer-nos com coisas que não nos dizem nada. Fracasso na certa. Isto é uma forma de violência, levada a cabo por nós mesmos.

Se há algo a reter neste ano que termina é que mudar custa: dói. Relembro-me dos dias de confinamento em que todos se tornavam pessoas melhores e que era só solidariedade e compaixão. Passaram-se meses, desconfinou-se e, de repente, sofremos de uma amnésia. Todas as resoluções e promessas ficaram algures, bem lá a trás no tempo, confinadas permanentemente. Claro que houve e há excepções (valha-nos isso), mas de um grosso modo este foi o resultado final.

O que é que importa realmente para que não condenemos ao falhanço as resoluções de ano novo? Bem, acima de tudo, é sermos verdadeiros connosco. Portanto, é importante conhecer a nossa essência. Quem somos. O que nos move. O que nos faz sorrir. Ter a capacidade de decidir, em consciência, o que se quer melhorar e estar disposto a lutar por isso. Ter a coragem de não deixar que nada se intrometa no percurso. Ter a coragem de mudar.

A mudança nem sempre é tão desejada como é anunciada. Implica dor, da ruptura com o anterior, medo, do desconhecido, e força, para enfrentar as adversidades que vão surgir (surgem sempre).

O novo ano aproxima-se a passos largos e está na hora de parar e ponderar. Será que vou repetir as mesmas resoluções que vem a falhar ano após ano? Será que vou fazer uma mudança real, que vá ao encontro da minha verdade, e comprometer-me de forma séria e responsável? Ou será que, o melhor é estar quieto e manter-me como estou? Tens todas estas possibilidades e talvez muitas outras. O mais importante de tudo, muito mais de que um novo ano que começa, é que tens o poder de escolher. Escolhe.  

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub