Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Inquietações

Inquietações

12
Mai21

Um dia como os outros

Liliana Rodrigues

IMG_20200406_115406.jpg

Acordo para mais um dia de trabalho. Um dia que, embora igual a tantos outros, será desafiante e único: um teste. Mais um teste à resiliência, à adaptabilidade e à empatia. Todos os dias são iguais e simultaneamente tão diferentes. Suspiro.

À porta, a minha filha agarra-se à minha perna e pede-me para não ir. Pergunta-me porque tenho que ir trabalhar e argumenta que não quer “dinheirinhos” e nem coisas novas. Explico-lhe que tenho pessoas doentes para cuidar. Ela, de olhos brilhantes e tristes, diz que precisa que cuide dela. O coração torna-se do tamanho de um grão de mostarda. Engulo em seco e saio de casa.

Atrás de mim fica um criança a chorar e um marido que a consola tentando, também ele, se reconfortar. Os tempos são de fragilidade, de ansiedade, incompreensíveis e não lineares. O medo da separação aumenta, quando os números da pandemia começam a subir. Vive-se a incerteza a cada “até logo”.

Os papéis estão definidos e cada um sabe o lugar que terá que assumir caso a mãe tenha que voltar a ser só enfermeira. Já não precisamos de falar, os olhares dizem tudo o que as palavras não conseguem expressar.

Visto a farda branca, que nunca chego a despir, e sou a melhor profissional que posso ser. Mobilizo conhecimentos, relaciono sinais e sintomas com possíveis diagnósticos, atuo de acordo com as situações e tento ver através dos olhos dos outros. 

Talvez seja um dia igual a tantos outros, mas aquela pessoa fez ressonância em mim. Aquela menina fez-me lembrar a minha filha. Aquele pai dedicado e preocupado fez-me imaginar as dificuldades sentidas pelo meu marido. Aquele homem que trabalha de dia e de noite, colocando a sua saúde em risco, para que nada falte aos seus, remete-me para o meu pai. E aquela senhora muito preocupada com os outros e que, tantas e tantas vezes, se esquece de si recorda-me a minha mãe.

É impossível cuidarmos dos outros sem ser, nem que seja só um pouco, tocados pelos outros. Tudo isto, torna a profissão tão bonita como difícil. Temos que ser o melhor profissional de enfermagem que podemos, sabemos e conseguimos por baixo da fina farda que protege a pessoa que somos.

O dia de trabalho aproxima-se do fim. Já perdi a conta das vezes que me agrediram verbalmente ou que colocaram em causa a profissional que sou. Faço por ignorar, tentando proteger-me por baixo da fina farda, pois compreendo a dor, o medo e a frustração que a doença provoca nas pessoas. Mas dói. Preparo-me para cuidar do próximo doente, respiro fundo e penso em coisas felizes. Sorrio.

O turno chega ao fim. Retiro a fina farda deixando a descoberto as feridas e as dores resultantes de um dia de trabalho. Mais uma luta  ganha por hoje, mas a batalha nunca será vencida. Haverá sempre alguém vítima da doença e alguém que a ajude a combater.

Chego a casa. A minha filha já dorme. Hoje não houve história de adormecer e nem beijinho de boa noite. Mais uma vez a mãe chegou tarde do trabalho. Olho nos olhos do meu marido que me abraça com amor. Bebo um chá e adormeço no conforto do seu colo. Daqui a umas horas começa tudo outra vez.

Vou iniciar mais um dia igual a tantos outros, sem reconhecimento, valorização e justa remuneração da profissão, mas singular como as pessoas de quem cuido.

Aos meus colegas enfermeiros, um feliz dia igual a tantos outros, assim como diferente de tantos outros. 



Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub